sexta-feira, 27 de março de 2009

Falsas impressões sobre a vida e a morte.




O que é tão certo quanto a morte?
O que é tão... inexorável?
O que nos causa conformidade, dor, desespero, angústia e certeza?
O que, de todas as coisas, nos causa mais ânsia e medo?
O que é tão atemporal quanto o próprio tempo?
Eu só consigo pensar nesta antítese: a vida.
Ela é tão certa, tão exata, quanto a morte que muito tememos.
Tão precisa, tão perfeita, tão... presente.
Faz-se estimável, mas é na verdade o que menos se deseja, pois justa e ceirteiramente seu destino é a morte.
Infeliz paradoxo...

2 comentários:

Aline Shinoda disse...

Fodão o texto!
A morte, mesmo que a gente não queira, é uma das paradas nas quais pensamos pelo menos uma vez por dia. Estranho, não?!

Anne disse...

ola, estava eu passeando pelos blogues e derrepende vim para aqui, achei seu cantinho um pouco gotico e lindo, ha... desculpa nem me apresentei, meu nome é anne,tb tebho um blog que ainda é um bebê.
Bem, gostei dos textos, achei simples e tocantes,parabéns.