quarta-feira, 21 de junho de 2017

Solstício de Inverno, cresce a noite.

Que contradição, o nascer do menino Deus, do manto azul e dourado, é o marco do início das noites mais longas. E frias. Quem diria?
Yule chega, menino-sol, ainda pequena chama pra aquecer nossa alma do frio que nos ronda, e maltrata, e aperta. O coração anda gelado, a alma, o corpo.
De fato nascer nos traz às dores, mas também às delícias de se viver.
Bem-vindo, Inverno.
Yule, sua luz ilumine as noites mais escuras e muito longas, amém.

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Lua Rosa (11.04.2017)

Ela ontem esteve cheia, plena, iluminada e iluminando.
Ela ontem quis me dizer que ainda posso acreditar no amor e nas coisas inacreditáveis da vida e do Universo.
Uma que eu não sei acreditar sem ter provas irrefutáveis.
Outra que não confio em uma senhora que passa um quarto minguado, um quarto crescendo, um dia oculta e outro dia exposta ao máximo.
Ela não sabe me controlar, me conduzir, mas eu sou a maré que ela orienta em todas as fases.
Todas as minhas fases.
Nunca sei o que pedir quando Afrodite me concede um único desejo.
E acabo sem saber o que vou receber mesmo sem ter pedido nada.
Porque Ela sempre dá, mesmo que eu não peça. Ela sempre dá, mesmo que eu não mereça.
E com certeza, Lua Rosa, o que me trouxe foi melhor do que o que eu poderia pedir.

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Um Saturno incomoda muita gente...

Estou, de novo, indo dormir esperando não acordar.
Estou, de novo, esperando das pessoas o que elas não são capazes de oferecer.
Estou, de novo, repetindo pra mim mesma não esperar reciprocidade, porque isso não existe.
Estou, de novo, lamentando o sentimento que dediquei e que não foi correspondido.
Estou, de novo, fazendo balanço de início de ano, e do que vejo até agora só tenho motivos pra não acreditar que vá ser melhor que o anterior, e que o anterior ao anterior.
Ainda não sinto a motivação de uma novidade, a virada do ano foi a mais apática que já vivenciei.
Nem quando passei de pijama assistindo TV senti que o tempo foi tão mal aproveitado. C'est la vie.
Mas foi diferente, o ambiente, as pessoas. O fim.
Não faz muito sentido relatar isso agora, mas quero deixar registrado que anos ímpares tendem a serem menos doces do que anos pares, pra mim.
Já escutei que preciso fazer/ser/pensar diferente, tentar coisas novas, mas tudo que me sugerem já é o que faço desde sempre. 
Antes, ser só era mais fácil, menos doloroso. 
Hoje, estar só e ter que me acostumar com isso é que tem sido doloroso.
Difícil dizer para as pessoas da sua vida que elas estão te abandonando, quando a impressão que você passa é de que você as está abandonando. E se abandonando.
Algumas pessoas tem me mostrado, sutilmente, que eu não devo incomodá-las com minhas questões de carência. 
Não precise de ninguém, mas esteja lá sempre que alguém precisar.
É essa relação de "não posso me comprometer" o tempo todo. E isso tem me cansado. de verdade.
Agora, com mais compreensão, eu entendo os motivos pra alguém desistir de viver.
Continuar é muito doloroso, às vezes. E às vezes nem é preciso, se você não suportar por mais tempo.
Preciso acreditar que há um motivo pra não morrer dormindo. Preciso acreditar que há um motivo pra eu aprender que as dores não vão se curar sozinhas, mas que eu vou ter que suportá-las sozinha a maior parte do trajeto.
Perceber-se "a última opção" não é fácil. Mas faz você crescer como ser humano. Como animal sentimental.

Mais um fim para monólogos sem nexo.
Não dá pra transcrever tudo que vem à cabeça...