sábado, 21 de março de 2009

Reflexão ou devaneio?

Essa noite não dormi muito bem, uma puta dor de dente, dor de cabeça por conseguinte, um calor infernal e os relâmpagos (que só eu vi, por ironia do destino) iluminando meu quarto inteiro. Ah, e tinham as baratas que resolveram "passear" pelos meus livros, bem na cabeceira da minha cama. Eu não durmo com um barulho desses, literalmente.
Mas esse não é o real motivo do meu relato ínfimo.
Quero mesmo falar sobre o Equinócio de Outono.
Primeiro dia do outono, em 2009, no Hemisfério Sul, ocorreu no dia 20 de março às 08h44min (Horário de Brasília). O Sabbat do Equinócio do Outono (também conhecido como Sabbat de Outono, Mabon e Alban Elfed), é o Segundo Festival da Colheita e a época de celebrar o término da colheita dos grãos que começou em Lammas. Também é a época de agradecer, meditar e fazer uma introspecção. De acordo com o mito antigo, no dia do Equinócio de Outono, Hades (o deus grego do Submundo) encontrou-se com Perséfone, que colhia flores. Ficou tão encantado com sua beleza jovem que, instantaneamente, se apaixonou por ela, agarrou-a, raptou-a e levou-a em sua carruagem para a escuridão do seu reino a fim de governar eternamente ao seu lado como sua imortal Rainha do Submundo. A deusa Deméter procurou, por todos os lugares, sua filha levada à força, e, não a encontrando, seu sofrimento foi tão intenso que as flores e as árvores murcharam e morreram. Os grandes deuses do Olimpo negociaram o retorno de Perséfone; porém, enquanto ela estava com Hades, foi enganada e comeu uma pequena semente de romã, tendo, então, que passar metade de cada ano com Hades no Submundo, por toda a eternidade.
E foi nisso que eu estive pensando durante minha madrugada em claro, nessa volta pra dentro de mim, nesse retorno ao submundo... eu acho impressionante como, mesmo afastada há um tempo da magia e dos Sabbats da Roda do Ano Celta, eu vivencio cada mudança de estação, como cada aspecto da minha vida é influenciado por esses ciclos que se fecham e se iniciam ininterruptamente.
O Mabon está sendo claro e forte pra mim esse ano, e eu ao menos acendi uma vela em intenção aos Deuses e a passagem do verão para o outono...
É uma época de equilíbrio, onde o dia e a noite têm a mesma duração.
Talvez os equinócios sejam, de todas as mudanças de estação, os que mais me perturbam, por alcançarem em um dia o que eu busco a minha vida toda: equilíbrio. Equidade.

Feliz Mabon, feliz colheita...

2 comentários:

Alé wind disse...

meu primeiro comentário...
dorei o texto! Jeane não eh soh um rostinho bonito, Jeane tbm eh cultura!rsrsrs! brincadeirinha...
essa historia ai eu jah conhecia dos filmes que eu costumava assistir qnd criança.
e sobre seu coment lah no meu bloguinho,amei mto viu! eu sempre digo, que depois que te conheci direito eu te achei super parecida comigo! o universo conspirou a nosso favor!

Aline Shinoda disse...

Equilíbrio!
Que o Equinócio traga tanto para vc quanto pra mim!