quinta-feira, 16 de abril de 2009

Última chance: se mate!

Me lembro de quando eu tinha sonhos, de quando fazia planos, de almejar alcançar algo... uma época frustrante. Irritante. Inútil. Não realizei os sonhos, não concretizei os planos, e se cheguei ao alcance do que almeijei uns 10mm, estive muito mais perto do que poderia imaginar.
Não, eu juro que não é rabugice. Eu realmente não me lembro qual a vantagem de ter ficado com cara de bocó, olhos esbugalhados e boca cheia de dentes, esperando por algo que nunca aconteceu.
Tenho medo dessas coisas inesperadas que acontecem. E se elas, como que por mágica, resolverem se dissolver na minha frente como nuvem? Esfarelar, sumir, virar pó? E se eu descobrir que estive dormindo todo esse tempo, e que tudo não passou de um mero sonho, devaneio tolo?
Minhas angústias não se resolvem com aspirina. Sou alérgica.




[A wolf at the door - Radiohead]

Um comentário:

Alé wind disse...

Tbm estou nessa fase assustadora de desânimo quanto ao futuro!
não pq as coisas que eu sonhe nao aconteçam, mas pq elas demoram a beça, e quando realmente a magica acontece, jah nem me lembrava mais de ter sonhado aquilo...
quem sabe não eh isso tbm que acontece contigo?!