segunda-feira, 10 de março de 2008

Nem Jung explica...

Sonhos são complicados. Um emaranhado de símbolos, confusões, metáforas, desejos, medos. Os sonhos me assustam. Seja dormindo, seja acordada, eles sempre me confundem, comprometem os meus sentidos, meu raciocínio lógico.
Não me lembro da última vez que eu sonhei e não fiquei tentando achar um significado pra todas aquelas coisas aparentemente sem nexo algum.
Meus sonhos são menos meu que qualquer outra coisa. Eu não os entendo, não os sinto como meus. Não sou eu vivendo todas aquelas coisas, dizendo tudo aquilo, desejando o que não pode ser. Esses medos, questionamentos, surpresas... não, não, com certeza não são meus.
Sonhar acordado é perda de tempo e energia. Dormindo, é perda de sono. Eu já o tenho tão pouco, e ainda tenho que gastar sonhando?
Hoje está um dia estranho... calmo demais. Certo demais. Tudo muito alinhado, harmônico. Tenho medo de dias assim. Dá até pra ouvir o barulho do vento nas folhas, dos grilos, das formigas trabalhando! Há de vir uma tempestade daquelas por aí. Fato.
Tempestades me deixam excitada, tranqüila, encantada, frenética e... amedrontada.
Mas é sempre muito bom oscilar em dias assim, onde ninguém pode te julgar, nem vão te perceber, por que cada um se esncontra em um estado particular de reflexão e introspecção.
Outros simplismente não estão nem aí pra toda aquela água, aqueles raios, e os trovões.
Na maioria das vezes, todos não estão nem aí pra nada.
E eu ainda me importo com os meus sonhos, sem nexo, sem sentido, um emaranhado de confusões, medos, etc., etc., etc...

Um comentário:

Pam S. disse...

Belas palavras, garotinha!
Também não me sinto nada bem em dias assim... silenciosos demais. oO


Te adcionei aos meus favoritos, ok?
beijo!